Uma linda historia escoteira

Uma linda historia escoteira
Era uma vez...

quinta-feira, 16 de agosto de 2018

Bem vindo ao Blog.

  



Bem vindo ao Blog Escotismo e suas historias.

Em 2009 entrei para o Facebook e algum tempo depois resolvi criar um Grupo cujo nome adotei como Escotismo e suas historias. Ele é dedicado exclusivamente ao que escrevo. Tem no momento mais de 17.000 membros participantes. Devido ao sucesso do grupo, criei então um blog Escotismo e Suas Histórias fac-símile do que tenho no Facebook. Comparativamente aos meus outros blogs escoteiros ele tem uma participação diária de admiradores do escotismo ou mesmo membros escoteiros em diversos países. Os artigos ou contos aqui postados muitos são fruto de minha imaginação e outros adotados em pesquisas tudo para colaborar na formação escoteira.

Artigos do nosso fundador estão em sua maioria postados neste blog. Agradeço a sua presença e caso queira comentar fique a vontade. Querendo entrar em contato estou à disposição no e-mail ferrazosvaldo@bol.com.br.



Muito obrigado pela presente e aceite o meu Sempre Alerta!  

Osvaldo um escoteiro  


Crônica de um Velho Chefe Escoteiro. O caminho a seguir.



Crônica de um Velho Chefe Escoteiro.
O caminho a seguir.

Nota – Crônica escrita para os meus amigos do Grupo Escotismo e Suas Histórias no meu Whatsapp depois de uma ferrenha e gostosa demanda sobre as modificações que passa o Escotismo de Baden-Powell. Fui até presenteado por uma foto no grupo do qual agradeço de coração.  

Eu tenho um espelho no meu banheiro. Tudo bem eu sei que você também tem um. Ótimo. Mas o meu é danado, sempre me cobrando, e dizendo que sou feio. Feio demais. Já não ligo para ele, deixo falar até cansar. Quando saio do banheiro boto a língua de fora e digo sorrindo: Xô! Ele gente fina sorri também e faz o mesmo para mim. Ele tem uma vantagem me serve de consolo para quando me sinto pelas beiradas da vida a reclamar. Se ele tivesse braços me daria um tapinha nas costas e diria: - Vado, a vida é assim mesmo, se tudo fossem estrelas e flores o mundo não seria aqui, seria ao lado de Deus.

Hoje ao entrar para fazer o etc. (todos sabem o que é) ele começou a implicar. – Tomou papudo! Eu disse para você que nem todo mundo pensa da mesma forma. Olhei para ele e pensei onde queria chegar. – Não sabe papudo? Você acha que só seu tempo foi o melhor. Esquece-se dos que estão hoje fazendo escotismo diferente do que você fez. – E dai? Perguntei ao Espelho, espelho meu. – E dai Vado é que te deram um baile no seu Grupo de Whatsapp! – Baile? Que baile? Perguntei. – Não se faça de sonso, até ela a garota do sorriso lindo dançou nos seus pensamentos mostrando que tudo tem de evoluir e mudar!

- Ora, pois, pois... Fiquei calado. Olhei para o Espelho, Espelho meu. Meu? Ainda não dei uma martelada nele porque me acompanha há anos. – Mas saiba que disse o que pensava, não fugi da raia! Ele gargalhou feito um idiota. Fui para a sala e comecei a pensar no dia de ontem. Muitos convencidos que dialogar é melhor que calar e exigir a fila de suas próprias ideias. Verdade? – Voltei ao banheiro e de supetão eu disse: Mas tive muitos seguidores! Ele riu como se fosse uma lagartixa no telhado a procura de inseto qualquer.

Voltei para sala novamente. Será que o Espelho, espelho meu teria razão? Mudar meus sonhos? Mudar meu estilo de vida? Mudar o que fiz por setenta anos só porque um “pisquila” pata tenra e recém-nascido acredita que devemos mudar? Mas e se ele estiver certo? Vai doer aceitar suas ideias que para mim eram estapafúrdias? Pensei, pensei, olhei para o Espelho, espelho meu e disse: - Amigo, é duro levar uma varada de marmelo no lombo, para mim é como se fosse apanhar quando querem mudar meu modo de pensar. Afinal foi uma vida espelho, espelho meu!

Sentei novamente na sala. Tem hora que sinto uma falta incrível de alguém para desabafar. Eu não sou intransigente. Mas quando a discussão fica no ponto X, eu penso: - Vale a pena continuar? Eita vida matuta de mineirada que dizem dá um boi para uma discussão e uma boiada para não sair. Tenho boi para isso? Acho que não. Volto para o Facebook. Alguém diz que vai sair do escotismo. Sair? De novo? Tantos saindo e antes diziam que nunca iriam deixar esse belo movimento?  

É, Espelho, espelho meu, desculpe não sou aquele que diz ser o melhor, mas escotismo para mim é o que meu amigo BP me ensinou e disse quando estava para nascer em Barra do Cuieté Minas naquela quinta feira de sol poente: Vado estou indo para o céu, agora é sua vez de ser escoteiro e seguir o que eu criei para você e todos que quiserem no mundo!

Nota – Eu nasci em Barra do Cuieté MG, às duas da manhã do dia 09 de janeiro de 1941 e BP faleceu no dia 8 de janeiro à tarde em PAXTU que fica há mais de seis mil km de distancia. E dai? Olho para o meu espelho e ele rindo diz: Bestalhão, acredita mesmo nisso?  



terça-feira, 14 de agosto de 2018

Conversa ao pé do fogo. Espírito Escoteiro.



Conversa ao pé do fogo.
Espírito Escoteiro.

Nota - Estejamos Sempre Alerta, para vivermos felizes e morremos felizes. Sempre fieis a Promessa Escoteira. Até mesmo depois que deixarmos de ser jovens. E ele esplendidamente termina: - E que Deus ajude a todos a cumpri-la. Lord Baden-Powell. 

            Sempre me perguntam se eu conheço alguém que tem o verdadeiro Espírito Escoteiro. Aquele que tem uma luz ou uma aureola brilhante, um coração voltado para ajudar ao próximo, que tem a lei e a promessa no coração. Alguém que pensa primeiro nos outros e depois em sí próprio. Sei que cada um tem sua maneira de analisar e pensar quais os valores deveriam ter os que são possuídos do Espírito Escoteiro. Não importa o sexo, o ramo, a modalidade se é menino ou Chefe. Para mim Espírito Escoteiro é para todas as idades que um dia fizeram sua promessa que têm na mente, no coração o respeito, a ajuda ao próximo e fiel a sua Lei Escoteira. Seja Chefe ou Escoteiro eles devem ser exemplos na comunidade, respeitado pelo caráter e ética. Se alguém não leva a sério a Lei e Promessa não pode ser chamado escoteiro.

             Mas quais seriam os verdadeiros sentimentos de alguém que tem Espírito Escoteiro? Disseram-me que aquele ama a natureza, gosta do ressonar da selva, adora o perfume das flores, o cheiro da terra. Não precisa ser poeta, mas poderia declamar seus sentimentos. Sentimentos de ver amar e sentir a beleza do vale, os pássaros fazendo acrobacia no ar. Parar para admirar uma árvore florida, sorrir ao ver os beija flores parados no ar bebendo seu néctar da vida. Ainda podemos dizer que o jovem ou o Chefe que ama o vento, sorri ao ver a relva balançar como se fosse uma grande onda do mar.

             Mas seria estas as escolhas para sabermos que alguém tem o Espirito Escoteiro? Sentimentos nobres, amantes da natureza? Será que podemos pensar que alguém que tem Espirito Escoteiro é um poeta? Não seria melhor tentar ver se ele sabe sorrir nas dificuldades, é prestativo, respeita para ser respeitado, sabe onde é o seu lugar e prima na educação e cortesia? Seria aquele que cumprimenta efusivamente sem afetação, tem sempre um sorriso cativante? Será que isto não seria exigir a perfeição? Pode ser que sim ou não. Mas a gente fica orgulhoso quando alguém que se diz escoteiro dá sua palavra e sabemos que podemos acreditar.

                 Um dia me disseram que quem tem o verdadeiro Espirito Escoteiro já nasce assim. Engano. Tudo que temos é um hábito de comportamento de aprendizagem, de conhecimento e exemplos que seguimos um dia. Acredito mesmo que qualquer um pode ter o Espírito Escoteiro. Afinal somos nós os responsáveis pela formação pela maneira de ensinar e você, só você que é o único responsável para fazer deste rapaz e desta moça pessoas de bem, afirmo sem nenhuma dúvida que você tem o Espírito Escoteiro.

sábado, 11 de agosto de 2018

Beleza pura, hoje tem reunião, alegria de montão!



Beleza pura, hoje tem reunião, alegria de montão!

Vamos lá meninada, vão chamar a escoteirada,
Pois hoje tem reunião, alegria de montão!
Na sede um bom passatempo, melhor no acampamento.
O sol que brilha, persegue você na trilha.
Aproveite este momento, no gostoso acampamento.

Se subir na aroeira, tome banho de cachoeira.
E a noite na escuridão, pegue estrelas com a mão.
Diga ao bom cozinheiro, amigo leal e mateiro,
Tico, este é seu nome, diga que está com fome!
Não esqueça a magia de sua bela ideologia.

Portanto Escoteiro amado, não se faça de rogado.
Conte aos lobos uma história, ela fica na memória.
Deixe as guias seniores afins, subir a serra sem fim.
E quando chegar a hora, no campo aonde mora,
Na ferradura então, faça sua saudação.

Pé na taboa aventureiro, você é um bom Escoteiro.
Não fique de boca aberta, melhor possivel e sempre alerta!
Fique calmo e não se mexe, seja um excelente Chefe.
Não esqueça vou logo dizendo, aprender é fazer fazendo.
Uniforme ou vestimenta, a cabeça não esquenta.

Então vamos lá escoteira, saudar nossa pátria amada.
Pois hoje tem reunião, alegria de montão! 

quarta-feira, 8 de agosto de 2018

Conversa ao pé do fogo. A Tropa de Monitores.



Conversa ao pé do fogo.
A Tropa de Monitores.

Nota - Você está sentindo que nem tudo vai dando certo na sua Tropa escoteira? Os jovens estão desanimados, alguns saindo, uma evasão que não dá para estancar? É hora de ação, de mudar, se você quer dar um jeito nisto e acredita em seus monitores, este artigo pode ajudar você. Olhe só para chefes que não sabem onde estão pisando. Se você é um craque, se sua Tropa é um sucesso este artigo não é para você.
                     Sabe quando chega a hora de dar uma arrumada nas ideias? Pois é, a gente vai para a sede, olha a tropa e por mais que se dedique parece que nada dá certo. Quando inicia a reunião, faltam um, dois ou mais escoteiros de cada Patrulha. Os monitores perdem o sorriso. A formatura é feita de maneira desleixada. Se você é daqueles que costuma fazer uma inspeção depois da bandeira à apresentação tira todo seu ânimo. Você fica pensando onde está o erro. O que está acontecendo. Quando a tropa iniciou as atividades no inicio do ano, até que houve uma boa participação inicial. Sabemos que durante o ano muitos desistem. Mas isto é certo? Até mesmo escoteiros que você confiava se foram. Você sabe que alguma coisa precisa ser feita, mas o que fazer? Já tentou mudar, novos jogos, técnicas, fez cursos, leu e até agora nada. Até mesmo o Ponta de Flecha não adiantou muito.

                     O que fazer então? Se você já fez muitos cursos de formação, conversou com outros escotistas e as ideias a cada dia vão diminuindo a coisa tá braba! Precisa urgente de uma reciclagem e ou então se for IM fazer como a canção de Gilwell que aconselha um curso de novo para reforçar. Se nada disto adiantou e você é daqueles que não desiste nunca o melhor mesmo é conversar. E olhe que seus bons fluidos e aconselhadores estão bem perto de você. Você me pergunta onde? – Seus monitores! Isto mesmo. Eles são a solução de tudo. Mas eles? Olhe meu amigo se isto acontece você está agindo como se eles não fossem os responsáveis para conduzir suas patrulhas, aí está o seu primeiro erro. Conduzir não é dirigir ou mandar.

                    Faça um plano simples. Se tiver assistentes converse com eles. Eles não são um poste para esperar você mandar. Diga que vai precisar muito deles, pois durante certo tempo você vai viver mais com seus monitores. O programa não pode parar e os subs. deverão substituí-los nos prováveis impedimentos que irão acontecer. Ideias feitas, programas na cachola parta com um sorriso para a próxima reunião de Tropa. Comece normalmente. Deixe seus assistentes escoteirar. Você ponha mãos à obra. Após o cerimonial chame os monitores, hora de ouvir. Vá para um local calmo, sem barulho e comece assim – Amigos, vocês estão vendo que a tropa não anda bem. Muitos saindo. Outros desistindo. Crescimento nas etapas mínimo. Quero ouvir vocês e qual seria o melhor caminho para resolvermos a questão.

                  Claro, eles olharão espantados para você principalmente se não tem o costume de conversar com eles. Mas não fale nada só ouça. No inicio eles olharão entre si e pouco dirão. Aos poucos vão se soltar e você pode até ouvir o que não quer. Mas faz parte. Após um tempo razoável pergunte a eles o que fazer para melhorar. Se eles não estiverem acostumados e pouco consultados, se prepare, pois no início nem saberão o que dizer. Melhor mesmo é conquistar a confiança deles. - Que tal uma excursão no próximo domingo só nossa? Vamos sair cedo, e voltamos à noitinha. Podemos quem sabe treinar um pouco de pista ou fazer um fogão tropeiro, seja sincero, diga que não sabe fazer. Diga que nunca fez e vai ser a primeira vez. Cante com eles na jornada e esqueça a fila, ela desmancha tudo que pensamos em união da turma. Convide um deles para ir à frente e outro atrás, vá trocando quando necessário. Deixe-os fazer um café, assar umas batatas, quem sabe uma macarronada. Entendeu? Não faça nada! Se você tentar fazer tudo vai voltar como antes. É importante que você só oriente e vá corrigindo onde estiver errado.

                   À tarde quem sabe brincar um pouco? Fazer jogos com três ou quatro não é fácil. Porque não procurar uma sombra, sentar a vontade e contar “causos”? Quem sabe eles não irão se abrir mais com você? Hora do retorno hora da limpeza do campo. Viu que tudo foi improvisado. Qual o intuito? Se conhecerem melhor. Lembre-se BP dizia que um dia no campo vale mais do que seis meses de reunião para conhecer um escoteiro. Mas na volta não esqueça. Ao chegar à sede, pelo menos meia hora para analisar o que aconteceu se foi válido e se daqui para frente pode surgir à nova Patrulha DE MONITORES, Você o Monitor um deles sub (escolhido pelos demais) e quem sabe a participação dos subs monitores vez ou outra?

                     Bem você deu o inicio. A arrancada foi feita. É hora de partir para um bom programa de treinamento dos monitores. Mas não esqueça, ele é continuo. Nunca para. Lembre-se que o treinamento constante não deve prejudicar as reuniões de tropa, pois elas irão servir de base se eles, os monitores estão mais motivados, se conversam mais com seus patrulheiros, e se as reuniões de Patrulha acontecem normalmente com a participação de todos nas ideias e sugestões. Durante pelo menos uma vez por mês, faça uma atividade só com eles. Pode ser de poucas horas ou de um dia e claro um acampamento deve ser marcado em breve. Discutir com eles como será este acampamento nos moldes de Gilwell. O que é isto? Fácil. Patrulhas autônomas. Escolhem seu campo, constroem tudo que precisam para desenvolver suas atividades. Terão tempo para as barracas, para o fogão seja suspenso ou não, para as fossas, para a mesa, para os bancos, para o toldo e uma infinidade de pioneiras que eles mesmos aos poucos irão desenvolver.

                        Todas idéias são validas para eles se entrosarem. O importante é estancar o desanimo mostrar que tem um novo caminho a seguir. Todos estão sentindo uma breve mudança. Para melhor? Só a participação e o sorriso poderão dizer sim ou não. Dê a sugestão de reuniões de Patrulha fora do dia de reunião em casa de um deles. Tema livre ou sugerido por todos. Quinzenal ou mensal se revezando. Quando você souber o que eles querem e você der a eles atividades ao ar livre, grandes jogos, acampamentos mateiros e um programa cheio de atividades tais como bivaques, acampamentos volantes, leitura de mapas, croquis, passo Escoteiro, passo duplo, uso de ferramentas no campo enfim, uma infinidade de programas exclusivamente para eles com sugestões suas é claro, vais ver sentir que tudo está mudado e a uma nova tropa em ação.

                      Portanto mãos a obra. Comece, esqueça o impossível ou o difícil. Lembre-se você criou a patrulha de Monitores. Ela deve ter um lema, um nome um grito e com o tempo quem sabe seu próprio material. Veja como motivar a cada um em ser Monitor, sub, aguadeiro, cozinheiro, escriba, almoxarife, intendente, mas lembre-se o mais importante é eles confiarem em você.



segunda-feira, 6 de agosto de 2018

Lembrando Baden-Powell. O dia do chefe Escoteiro.



Lembrando Baden-Powell.

“Um sorriso é a chave secreta que abre muitos corações. Nenhum homem pode ser chamado de educado, se ele não tem uma vontade, um desejo e uma habilidade treinada para fazer a sua parte no trabalho do mundo”. (B-P).

No dia do Chefe Escoteiro, força sem limites do Movimento Escoteiro, parabenizamos a todos pelo esforço pessoal em prol da juventude do mundo. Sem eles nada seria possível. O que disse BP sobre o Chefe Escoteiro:

1)     - O Chefe Escoteiro – Por Lord Baden-Powell.
A idéia do Escotismo quando surgiu parecia caminhar bem. Sabia-se que o menino estava preocupado, mas ansioso por fazer tudo àquilo que acreditava. Embora ele tivesse uma ideia de como realizá-lo, havia a pergunta mais importante da necessidade de obter a liderança adulta para organizar a sua administração na prática. De uma forma muito considerável essa questão foi resolvida pelos próprios meninos. Eles tiveram o bom senso de reconhecer que os oficiais crescidos eram necessários, e procuraram os seus lideres em seus respectivos bairros até que encontrassem aqueles dispostos a se tornar seus chefes.

Pessoalmente, eu tinha visto um trabalho dedicado e esplêndido dos voluntários e dos funcionários da Boys 'Brigade, e então eu percebi que havia em nossa população um número considerável de homens patriotas que estariam dispostos a fazer o sacrifício de tempo para ajudar.  Mas eu nunca previ a resposta surpreendente que foi dado por tais homens à chamada do Movimento Escoteiro.

Para eles, é devido o crescimento notável e os resultados alcançados até o momento. Eu tinha estipulado que a posição dos Chefes Escoteiros não seria nem a de um professor, nem de um oficial comandante, mas sim a de um irmão mais velho entre os seus meninos. O importante era juntar as suas atividades e compartilhar seu entusiasmo, e, assim, estar na posição de conhecê-los individualmente, capaz de inspirar os seus esforços e para sugerir novas diversões quando seu dedo sobre o pulso lhe disse que a atração de qualquer mania atual fosse se desatualizando.

O termo Chefe Escoteiro não era novo. Era um título antigo Inglês usado por Cromwell, que tinha "Chefes Escoteiros" em seu exército, e seu ramo de Inteligência estava sob a direção de um "Chefe Escoteiro-Geral”.

2 - Baden-Powell – Cidadão do mundo.
               O segredo de meu sucesso na vida sempre foi à influência de minha mãe. A maneira pela qual aquela extraordinária mulher conseguiu educar-nos, sem que nenhum de nós tenha sido um fracasso; e a maneira pela qual não sucumbiu à ansiedade e às tensões de toda ordem escapa a minha compreensão.
Não somente, apesar de ser viúva e pobre, conseguiu alimentar-nos, vestir-nos e educar-nos, Foi sua influência que me guiou pela vida afora muito mais do que quaisquer preceitos ou qualquer disciplina aprendida na escola. B.P

                Apesar de não ter tido a orientação de um pai, sendo o sétimo filho homem, gozava de bom treino durante as férias, em companhia de meus irmãos mais velhos. Todos eles tinham bem desenvolvido o instinto esportivo e eram bons camaradas entre si, nadadores de primeira classe, jogadores de futebol, remadores, etc. Todos sabiam imaginar e executar o que fosse preciso para substituir o que não podiam comprar, chegando mesmo a construir um barco. Fazíamos nossas próprias cabanas, nossas redes de pesca ou de caça de lebres e pássaros, e assim pegávamos e assávamos nossa comida para satisfação nossa em geral e de nossos estômagos em particular. Tudo isso era mito bom para mim. Foram um aprendizado de valor inesgotável pela minha vida afora, aprimorando a formação de nosso caráter.

               E ainda: No meu tempo de menino, em Charterhouse, logo fora dos muros, havia o “Bosque”, longo terreno arborizado, no flanco de uma colina, estendendo-se por mais de uma milha ao redor dos campos de recreio. Era aí que costumava passar longas horas imaginando ser caçador e escoteiro. Arrastava-me cuidadosamente pelo chão, procurando rastros e tentando me aproximar de esquilos, coelhos, ratos e passarinhos, a fim de observá-los. Fazia armadilhas e quando conseguia pegar um coelho o uma lebre (o que não se dava frequentemente), aprendia penosamente, por experiência própria, a tirar-lhe a pele, limpá-lo e assá-lo. Assim, sem o saber, fui adquirindo um tipo de educação que mais tarde seria de grande valor para mim.

             Esses conhecimentos iniciaram em mim o hábito de reparar em pequenos detalhes ou “sinais” e de tirar conclusões, em outras palavras o hábito inestimável da Observação e da Dedução. B.P.

                 Indiscutivelmente, Baden-Powell desempenhou um papel singular, não apenas como Fundador do Movimento, mas também como seu líder e inspirador. A isto se pode acrescentar o seu profundo entendimento dos problemas, necessidades, e aspirações do jovem e de sua capacidade para tornar os sonhos em realidade. A promessa e a lei escoteira, conforme o texto original de B.P, escrito em 1907-1908, no livro Escotismo para Rapazes, representa todo um corpo de valores morais, éticos e nacionais, que eram esperados de um cidadão participativo e útil a sua sociedade, na época em que foram escritos tais princípios.


Nota – Porque 6 de agosto é o dia do escoteiro? Foi neste dia em 1920, ao final do I Jamboree Mundial, em OlympiaBaden-Powell foi aclamado, por uma manifestação espontânea de milhares de jovens de dezenas de países, como Chefe Escoteiro do Mundo. Ele aceitou um título que nenhum Rei ou Governo podia conferir, e de todas as honras que lhe eram destinadas, este era para ele o mais apreciado.

Na ocasião, disse: “Que esta seja a vontade de vocês. Antes de partir estamos dispostos a desenvolver entre nós mesmos e nossos jovens esta amizade, através do espírito mundial da Fraternidade Escoteira, a fim de que possamos ajudar a levar a paz, o bom humor no mundo, e a boa vontade entre os homens”.

A Região Interamericana, muitos anos depois, em uma reunião de Escoteiros-Chefes do Cone Sul, por uma proposta do Paraguai, acordou em promover o dia 6 de agosto como o Dia Interamericano do Escotista, precisamente em comemoração a data em que o Fundador Robert Baden-Powell foi proclamado Chefe Escoteiro Mundial.

domingo, 5 de agosto de 2018

Conversa ao pé do fogo. Dez dicas para o Monitor tratar seus patrulheiros.



Conversa ao pé do fogo.
Dez dicas para o Monitor tratar seus patrulheiros.

Disseram-me que estas dez dicas deveria servir também para chefes escoteiros. Escrevi para monitores, faça você mesmo sua análise pessoal.

Sem bons monitores dificilmente teremos o êxito esperado. Você também é responsável.

1. Não faças comentários que possam humilhar ou envergonhar algum dos Escoteiros de sua patrulha.
 2. Se precisares chamar à atenção de algum deles, faça a sós, sem os outros ouvirem.
3. Não deixes de fora os patrulheiros mais tímidos ou novatos, fala para eles, dá-lhes atenção, mostra que estás sempre a contar com a ajuda deles e que são importantes para a Patrulha. Dá-lhes um elogio para os  motivares e perceberem que estão a ser úteis.
 4. Muitas vezes, consegues modificar o comportamento e as atitudes dos outros recorrendo à boa disposição e a algumas piadas, desde que não humilhes ninguém.
 5. Não leves muito a sério um patrulheiro que seja muito resmungão. Responde-lhe com bom humor.
6. Não fales nas costas uns dos outros. Os patrulheiros vão imitar-te e irão acabar por falar de ti nas tuas costas. Dá um bom exemplo.
7. Mostra-te paciente para com todos. A paciência é uma grande virtude e os teus escoteiros saberão reconhecer-te essa característica, mesmo que não o digam abertamente.
 8. Se algum dos patrulheiros agirem incorretamente com outro, explica-lhe de que modo foi incorreto e sugere-lhe que peça desculpa.
9. Não grites com os teus escoteiros Se gritares, o mais provável é perderes autoridade.
10. Não mostres ressentimentos para com alguém que tenha feito algo de errado ou tenha prejudicado a Patrulha. A capacidade de perdoar é uma virtude.

E não se esqueça destas palavras de BP. Elas podem ajudar você muito:

Levar-se muito a sério enquanto jovem é o primeiro passa para tornar-se um “pedante”. Um pouco de bom humor poderá tirá-lo deste perigo e também de muitas ocasiões desagradáveis. – Aquele que se elogia é geralmente aquele que necessita de ajuda;

- Um Monitor equilibrado vale meia dúzia de extravagantes;
- Muitos querem seus direitos, antes de o trem merecido. BP.

quinta-feira, 2 de agosto de 2018

Comentários de Baden-Powell. Líderes de Patrulha



Comentários de Baden-Powell.
Líderes de Patrulha

O melhor progresso é feito naquelas tropas em que poder e responsabilidades são realmente colocados nas mãos dos Líderes de Patrulha (monitores). Esse é o segredo do sucesso de muitos Chefes Escoteiros, quando uma vez que tenham meia dúzia de Líderes de Patrulhas, realmente os fazem agir como se fossem Chefes Assistentes. Os Chefes Escoteiros encontram os capazes de, por si mesmos, seguir adiante e aumentar suas tropas, seja iniciando uma nova patrulha ou adicionando recrutas a uma existente.

Espere bastante de seus Líderes de Patrulha, e nove em dez vezes eles superarão suas expectativas, mas se você sempre lhes der comida na boca e não confiar neles, você nunca conseguirá que façam qualquer coisa por iniciativa própria.
Junho de 1910.

terça-feira, 31 de julho de 2018

Crônicas de um Velho Chefe Escoteiro. Os Velhos Escoteiros não dizem Adeus!



Crônicas de um Velho Chefe Escoteiro.
Os Velhos Escoteiros não dizem Adeus!

Nota – Uma homenagem aos Velhos Escoteiros, Antigos e Velhos lobos que são assim como eu.

Alguns se intitulam Velhos Escoteiros, outros Antigos Escoteiros, e tem aqueles que se dizem ser Velhos Lobos ou Matusalém, ou seja, lá o que for. Não importa eles são o portal do saber do escotismo. Viveram uma vida, fizeram do escotismo sua filosofia de vida. Alguns vivem de saudades, outros ainda na ativa e aqueles que não tem mais condições físicas procuram contar histórias, escrever sobre escotismo e dentro do possível conversar nas redes sociais com seus amigos virtuais.

Dizem que idosa é a pessoa que tem muita idade; velha é a pessoa que perdeu a jovialidade. A idade causa a degenerescência das células; a velhice causa a degenerescência do espírito. Por isso, nem todo idoso é velho e há velho que ainda nem chegou a ser idoso. ... Você é idoso quando ainda aprende; você é velho quando já nem ensina. Nossa! Eu sempre me achei um velho, mas danadamente ainda quero aprender e ensinar. Ensinar o que?

                  Cada dia que passa mais vou vivento minha condição de ser velho. Dizem que existe o dia do idoso. Deve existir. Mas Gosto da modernidade e lembrar-se da vida do passado. Antigamente éramos Velho mesmo, mas tudo no mundo moderno é modificado conforme as necessidades de alguém. O comércio não pode chamar a gente de Velho. Pega mal. Idoso fica melhor. Já tem alguns que dizem sermos da terceira idade. Eu não tinha a mínima ideia como seria envelhecer. Os remédios, as dores no corpo, as faltas de ar, dormir mal e acordar cedo.

                   Bem cada um idoso tem seus pormenores, mas sabe o que é pior? Fila do SUS. Principalmente para quem é duro como eu. E os médicos? Olham para gente (quando olham) como se fossemos a escoria da classe humana. Sei que tem alguns médicos que não são assim, mas eu pergunto se você é atendido pelo SUS qual o maior tempo ficou dentro de um consultório médico? Outro dia bati meu recorde. Doze minutos. Ele digitando não tirava os olhos do computador.

                  Mas chega de lamurias, afinal sempre faço alguma postagem dependendo do homenageado. Assim não podia deixar os velhos para trás. Desculpe os idosos ou como dizem Terceira idade ou a melhor idade! – Eis que falando da velhice me deparo com uma crônica escrita por Luiz Farinha. Um jornalista português. Achei interessante, pois comungo um pouco do que escreve. Acho que eu já escrevi tanta coisa sobre a terceira idade que me contradigo aqui o que escrevi. Mas atualmente apesar de ser um espiritualista e saber que temos de passar por isto, vejo que a vida de Velho não é lá estas coisas, mas respeito tem gente que gosta.

                  Claro que por sermos Velhos temos certos direitos que nunca tivemos antes. Levanta quando quer (se tem esposa compreensiva como a minha), fica com uma roupa por semanas e ninguém reclama. Se quiser almoçar almoça se não quiser não almoça. Se dá vontade corre na padaria e toma um belo sorvete. E se quiser pode repetir quantas vezes quiser. O melhor mesmo é que nós os velhos dizemos o que queremos e todos aceitam. Aceitam? – Pô, o cara é Velho, no fim da vida, fazendo horas extras, vamos compreender!

               Mas vamos lá com a crônica do Luiz. Diz ele: - Se o leitor pertence ao número dos que já ultrapassaram os setenta é quase certo que ainda não espera dizer Adeus. Acredite que até eu olhei enviesado para o amigo que se saiu com esta quando quis rematar a conversa em que discorríamos sobre os problemas trazidos pela idade. Dizia-lhe eu: “deixa lá… ser velho é ser sábio!” De pronto ele sai com a resposta que eu não esperava: “deixo lá o caraças… ser velho é uma m...!” Despedimo-nos daí a pouco, e não é que enquanto me afastava lhe dei razão?

             - Na verdade será para acreditar quando nos dizem que “todas as idades têm a sua beleza”? Que “diabos” é ser da terceira idade? Que interesse tem que eu saiba mais do que um jovem com um quarto da minha idade? Que lhe interessa a ele a sabedoria que eventualmente acumulei enquanto percorri a estrada da vida? Pois não é verdade que os conceitos, os hábitos e as modas mudam mais depressa do que o tempo que eu hoje levo a subir ao meu terceiro andar? Não passo de um velho recipiente de coisas inúteis e fora de moda, coisas que já não servem a ninguém.

                 Quer saber mesmo qual a melhor idade? Era aquela que eu chorava e a mamãe vinha me abraçar. Era aquela que com uma mochila eu corria pelo mundo ou então aquela que todo mes tinha meu rico dinheirinho, pois trabalhava. Hoje? Aposentado e duro eu dou risadas com esta melhor idade. Mas entre tudo sou um velho feliz. Fiz quase tudo que queria fazer, tenho a melhor esposa da melhor idade que me conduz nas horas dificieis, tenho filhos maravilhosos, tenho netos para colocar mais brancos os meus cabelos e uma bisneta a caminho que breve terei a honra de abraçar.

                 E olhe, quando novo não tinha este dom de escrever o que quero, sem obediencia aos Chefões Escoteiros que acham os tais e que só eles podem decidir. Pelo sim e pelo não, ser velho é uma M... Mas posso falar o que quiser quando quiser sem ofender, pois sou um daqueles da terceira idade. E por outro lado é bom demais ser velho! Bah! Durma-se com um barulho desses!

domingo, 29 de julho de 2018

Contos de Fogo de Conselho. A Escola da Vida.



Contos de Fogo de Conselho.
A Escola da Vida.

                           Em um acampamento há tempos atrás, três tropas acampavam próximas a uma pequena floresta e um lago. Após o Fogo de Conselho quando as patrulhas já tinham se recolhido as suas barracas, nós os chefes começamos a colocar a conversa em dia. Falamos sobre o que pensavam os escoteiros do programa, da corte de honra, do grande jogo e dos reclames da inspeção do dia por parte de um dos monitores. Não perdíamos de vista as estrelas que no céu piscavam quem sabe para espantar o frio e as fagulhas da fogueira que levadas pelo vento desapareciam na escuridão. Éramos amigos de longa data e no escotismo não havia segredo entre nós. Falamos da corte de honra, da inspeção matinal do grande jogo e da cobrança dos monitores para aumentar o tempo livre no campo de Patrulha. Conrado o Chefe mais novo disse que nosso mestre Baden-Powell se orgulhava de ter aprendido muito na Escola da Vida. Ele também.

                            Nelsinho um Assistente entrou como sempre na sua pose de intelectual contando o que todos já sabiam. – A ideia do Escotismo quando surgiu parecia caminhar bem. Sabia-se que o menino estava preocupado, mas ansioso por fazer tudo àquilo que acreditava. Embora ele tivesse uma ideia de como realizá-lo, havia a pergunta mais importante da necessidade de obter a liderança adulta para organizar a sua administração na prática. De uma forma muito considerável essa questão foi resolvida pelos próprios meninos. Eles tiveram o bom senso de reconhecer que os oficiais crescidos eram necessários, e procuraram os seus lideres em seus respectivos bairros até que encontrassem aqueles dispostos a se tornar seus chefes.

                            Chefes, ele completou, “A tarefa do Chefe Escoteiro (que verdadeiramente é interessante) consiste em explorar o íntimo de cada jovem, descobrir a sua personalidade para então encontrar e desenvolver o que é bom, deixando o ruim de lado.” Não existe ensino que se compare ao exemplo como disse BP? Chefe Tolon no seu estilo de matuto do interior comentou: - Não sei se existe idade para que nós possamos aprender nesta formidável escola do mundo em que vivemos. Ele sorriu e completou: - Todos nós estamos matriculados na escola da vida desde que nascemos. Nesta escola o mestre é o tempo. A cada dia vamos aprendendo. Não importa a idade, pois o aprendizado não para. Dia e noite. É bom aprender com o silêncio, com os falantes, com os intolerantes e os gentis.

                        Interessante sua ponderação. Mas Mano Velho que sorria e não tinha dito nada aproveitou a deixa: - Leonardo da Vinci comentou que a experiência é uma escola onde são caras as lições, mas em nenhuma outra os tolos podem aprender. Aprender é a única coisa de que a mente nunca se cansa, nunca tem medo e nunca se arrepende. São duas coisas distintas – O saber dado pelos mestres nas escolas e a vida como ela é, sendo olhada, guardada em nossa mente e nos fazendo crescer no dia a dia.

                        Ele não deixou por menos e finalizou: - No dia em que guiarmos nossas ações, juízos, estudos e decisões por valores que visam ao sublime em vez da mesquinhez, quando agirmos inspirados mais nos critérios de justiça, da generosidade, da prudência, da temperança do que do interesse do egoísmo, no dia em que agirmos meditando sempre na beleza da doçura, na importância da humildade, no valor da coragem e no lugar da compaixão, nesse dia nosso planeta atingirá aquele estágio supremo que toda evolução técnica teve por meta.

                       Depois de ouvir tanta sabedoria pensei comigo sem nada dizer; - Viver o mais intensamente, arriscar sempre. Se tivesse 100 anos para viver, eu ainda não teria tempo para fazer tudo o que quero fazer. Às vezes, podemos passar anos sem viver em absoluto, e de repente toda a nossa vida se concentra num só instante. Deixe os nossos jovens viverem e aprenderem fazendo, errando até fazer o certo.

                       Depois desta aula de sapiência, nada mais havia a dizer. Chefe Carmelo nos convidou para uma oração. – Pai nosso, que estais no céu... E fomos dormir sob as estrelas do firmamento que tão bem é testemunha de tantos que um dia se sentaram em roda de uma fogueira para dizer o belo dos sonhos da vida que vamos viver! - Na escola da vida podemos aprender as mais diversas lições. Mas nós é que escolhemos as que vamos vivenciar. Os grandes sábios não se consideram mestres, mas sim, eternos aprendizes na escola da vida.

quarta-feira, 25 de julho de 2018

Crônicas de um Velho Chefe Escoteiro. Mística e Simbologia no Escotismo.



Crônicas de um Velho Chefe Escoteiro.
Mística e Simbologia no Escotismo.

- “Todos os projetos devem responder às aspirações daqueles que os vão viver; devem partir dos seus desejos e sonhos. Os sonhos materializam-se num imaginário com personagens e símbolos. O imaginário existe em todas as idades, apenas se torna menos explícito com o crescimento e vai-se transformando em situações reais.” In A Caminho do Triunfo – B. P.

                   Baden-Powell, ao criar o escotismo, baseou-o no jogo. Neste jogo estão inseridas as histórias, os ambientes, os heróis e os símbolos. A tudo isto acrescentou um objetivo claro de educar os jovens. Criou, assim, o Imaginário. Este entende-se por:

- “Ambiente que envolve um determinado grupo e que se traduz por um espírito e uma linguagem próprias. Envolve uma história com heróis e símbolos. Induz a um sentimento de pertencer em relação ao grupo e permite a transmissão de determinados valores, na medida em que fomenta a identificação com os heróis e a atribuição de importância e significado aos símbolos da história.” In Manual do Dirigente

O imaginário não é específico, uma vez que aos Companheiros é mais útil a observação do mundo real, de modo a que um conhecimento consciente de si mesmos e da realidade que os rodeia lhes permitam envolver-se de forma ativa na sociedade, participando como cidadãos conscientes e responsáveis.

Da mesma forma, a simbologia pretende dar ao Escoteiro algumas ferramentas para olhar o mundo e ser capaz de se encaixar nele, seguindo os seus ideais e formulando as suas opiniões. Quando olhamos a simbologia no seu todo, percebemos que todos os elementos se complementam e permitem ao jovem desenvolver as várias dimensões do seu ser como forma de afirmação e definição de si mesmo.


Cerimoniais Escoteiras.
“Por Religião não quer dizer a reverência domingueira prestada à Divindade, mas a compreensão mais elevada de Deus sempre conosco e à sua volta”…
 (“Baden-Powell.” In Celebrações do CNE).

Há momentos na vida dos escoteiros que devem ser marcados de uma forma especial. As cerimónias Escotistas fazem parte das boas práticas que devem ser vividas em plenitude pelos escoteiros. Estas devem estar envolvidas em ambiente Escotista, sendo o momento ideal para relembrar Leis, ensinamentos do fundador, exemplos dos patronos e também um momento de reflexão interior. Os cânticos e os símbolos devem ajudar ao ambiente místico para que a mensagem seja bem apreendida. Algumas das cerimónias para os Escoteiros:


Vigílias – A palavra vigília significa estar de vela ou velada. Também significa a véspera de uma festa. Velar é estar vigilante ou prevenido, lutar contra a preguiça a fim de viver a “noite”, sem ser da “noite”.

Passagens de Secção – É a celebração do fazer caminho, de sênior para Pioneiro. Significa mudança de situação, motivada pelo progresso e pela idade. É o reconhecimento desse crescimento. Não é o fim em si, mas é sempre o termo de uma etapa e o início de percurso para outra etapa de crescimento mais exigente.
Promessa – É a peça fundamental do Escotismo. Educamos para a liberdade na responsabilidade e no compromisso. Por isso, a promessa dá sentido ao escutismo. A promessa é:
·       Um ponto de partida, não uma meta. É um instrumento pedagógico para alcançar um novo modo de ser, para percorrer o caminho que leve os nossos passos de construtores de um Homem Novo.
·       Um ato pessoal e comunitário. É uma aposta pessoal que implica riscos e um ato de fé e de esperança. A comunidade, a Tribo, o Clã ajudam a prepará-la, confrontá-la, realizá-la e revê-la.
·       É algo Concreto, útil e avaliável.
·        
Investidura de guias e funções – É o ato de dar posse ou a cerimónia em que alguém, a quem é reconhecida capacidade, é investido no exercício responsável de um cargo ou dignidade. É a aquisição de um estatuto novo, como se de um novo “vestido” se tratasse.


sábado, 21 de julho de 2018

Crônicas de um Velho Chefe Escoteiro. Wander Veloso Pires – Meu compadre Wander.



Crônicas de um Velho Chefe Escoteiro.
Wander Veloso Pires – Meu compadre Wander.

Poucos tiveram a honra de conhecê-lo. Muitos que o cumprimentaram nunca mais esqueceram. Dizem que no Escotismo temos o privilegio de fazer amigos dos bons. Amigos inesquecíveis que guardamos no coração para sempre. Eu sempre fui um privilegiado. Hoje tenho milhares deles espalhados pelo mundo e muitos não terei honra de conhecer e apertar a mão uma pena, mas que é bom isso é. Ter amigos fazem parte do nosso mundo e saber preservá-los melhor ainda. Tive amigos lobinhos, amigos escoteiros, amigos chefes, amigos dirigentes e amigos difícil de descrever por ter por eles um carinho especial.

Conhecer o Wander, ou melhor, o Chefe Wander, ou melhor, ainda o compadre Wander lá por voltas de 1960 onde fizemos o CAB Escoteiro e depois o CAA Escoteiro. Um sujeito fora de série. Fez amizade com todos no primeiro dia apertando a mão, conversando ouvindo e contando causos com um coração escoteiro enorme para dar e vender toda sua “performance” escoteira e fraterna como um verdadeiro anfitrião na capital de Minas Gerais. Wander sempre o primeiro a oferecer sua casa, sua amizade e seu carinho por todos que o visitavam não importando sua classe social, espiritual ou mesmo a cor da pele.

- Quando assumi o cargo de Comissário Regional por volta de 1968, Wander logo ofereceu colaboração. Fora Comissário por muitos anos e tinha muita experiência. Aliás, Wander se oferecia em tudo para ajudar. Ficamos amigos, amigos de família. Dona Lucia, sua esposa, ou melhor, Chefe Lucia, ou melhor, Comadre Lucia, pois Wander e Lucia batizaram meu caçula (hoje com 46 anos) e a amizade se tornou maior. Quem conheceu a Chefe Lúcia sabe do que estou falando. Uma senhora uma verdadeira Dama, um sorriso e uma bondade incrível só pecando pela simplicidade.

Ambos me ajudavam em tudo. Eu cursos e informativos pelo interior de Minas me levando pela sua celebre rural Willians aos rincões mais distantes de nosso estado. Um dia lá pelos idos de 1973 voltando de Pouso Alegre para um curso local, eu ele Chefe Lucia, Blair e a Célia paramos em um pequeno bar a beira da estrada e ele nos convidou para ir até próximo a uma lagoa, e ver o mais belo céu de estrelas já visto no Estado de Minas. Lindo demais. Deitamos na relva e ficamos ali por horas.

Wander correu o Brasil e a América do sul em sua Rural. Ficou conhecido de norte a sul do Brasil. Em sua casa hospedaram grandes personalidades escoteiras do Brasil e do exterior. Uma das mais belas amizades que tive em minha vida. Wander tinha um sorriso maravilhoso, uma bondade explicita que chegava a incomodar. Chefe Lucia era a esposa perfeita. Dama e cavalheiro forjados em um época onde a formação escoteira tinha a alegria e fraternidade no ar.

Pergunte ao seu Velho Escoteiro em sua cidade, pergunte pelo Wander e Lucia. Garanto que em cada grupo vai ter um que os conheceram. Ver o casal uniformizado era de uma fidalguia sem par. Perfeitos, sem invenções, sem criações ou escolhas que aquela adotada pelo nosso líder Baden-Powell.

Wander e Lucia se foram. Devem formar em alguma estrela brilhante uma nova escola de grandes homens escoteiros do céu. Eu e Celia tivemos a honra de tê-los como amigo. Honra que muitos como eu também tiveram. A Você Compadre Wander, e a Você Comadre Lucia meu Sempre Alerta e em sinal de respeito e admiração eu tiro o meu chapéu!  

Nota – Uma homenagem ao Chefe Wander Veloso Pires e sua Esposa Lucia Veloso Pires, amigos que nunca mais esqueci e que hoje estão escoteirando no céu do Senhor.