Uma linda historia escoteira

Uma linda historia escoteira
Era uma vez...

sábado, 21 de julho de 2018

Crônicas de um Velho Chefe Escoteiro. Wander Veloso Pires – Meu compadre Wander.



Crônicas de um Velho Chefe Escoteiro.
Wander Veloso Pires – Meu compadre Wander.

Poucos tiveram a honra de conhecê-lo. Muitos que o cumprimentaram nunca mais esqueceram. Dizem que no Escotismo temos o privilegio de fazer amigos dos bons. Amigos inesquecíveis que guardamos no coração para sempre. Eu sempre fui um privilegiado. Hoje tenho milhares deles espalhados pelo mundo e muitos não terei honra de conhecer e apertar a mão uma pena, mas que é bom isso é. Ter amigos fazem parte do nosso mundo e saber preservá-los melhor ainda. Tive amigos lobinhos, amigos escoteiros, amigos chefes, amigos dirigentes e amigos difícil de descrever por ter por eles um carinho especial.

Conhecer o Wander, ou melhor, o Chefe Wander, ou melhor, ainda o compadre Wander lá por voltas de 1960 onde fizemos o CAB Escoteiro e depois o CAA Escoteiro. Um sujeito fora de série. Fez amizade com todos no primeiro dia apertando a mão, conversando ouvindo e contando causos com um coração escoteiro enorme para dar e vender toda sua “performance” escoteira e fraterna como um verdadeiro anfitrião na capital de Minas Gerais. Wander sempre o primeiro a oferecer sua casa, sua amizade e seu carinho por todos que o visitavam não importando sua classe social, espiritual ou mesmo a cor da pele.

- Quando assumi o cargo de Comissário Regional por volta de 1968, Wander logo ofereceu colaboração. Fora Comissário por muitos anos e tinha muita experiência. Aliás, Wander se oferecia em tudo para ajudar. Ficamos amigos, amigos de família. Dona Lucia, sua esposa, ou melhor, Chefe Lucia, ou melhor, Comadre Lucia, pois Wander e Lucia batizaram meu caçula (hoje com 46 anos) e a amizade se tornou maior. Quem conheceu a Chefe Lúcia sabe do que estou falando. Uma senhora uma verdadeira Dama, um sorriso e uma bondade incrível só pecando pela simplicidade.

Ambos me ajudavam em tudo. Eu cursos e informativos pelo interior de Minas me levando pela sua celebre rural Willians aos rincões mais distantes de nosso estado. Um dia lá pelos idos de 1973 voltando de Pouso Alegre para um curso local, eu ele Chefe Lucia, Blair e a Célia paramos em um pequeno bar a beira da estrada e ele nos convidou para ir até próximo a uma lagoa, e ver o mais belo céu de estrelas já visto no Estado de Minas. Lindo demais. Deitamos na relva e ficamos ali por horas.

Wander correu o Brasil e a América do sul em sua Rural. Ficou conhecido de norte a sul do Brasil. Em sua casa hospedaram grandes personalidades escoteiras do Brasil e do exterior. Uma das mais belas amizades que tive em minha vida. Wander tinha um sorriso maravilhoso, uma bondade explicita que chegava a incomodar. Chefe Lucia era a esposa perfeita. Dama e cavalheiro forjados em um época onde a formação escoteira tinha a alegria e fraternidade no ar.

Pergunte ao seu Velho Escoteiro em sua cidade, pergunte pelo Wander e Lucia. Garanto que em cada grupo vai ter um que os conheceram. Ver o casal uniformizado era de uma fidalguia sem par. Perfeitos, sem invenções, sem criações ou escolhas que aquela adotada pelo nosso líder Baden-Powell.

Wander e Lucia se foram. Devem formar em alguma estrela brilhante uma nova escola de grandes homens escoteiros do céu. Eu e Celia tivemos a honra de tê-los como amigo. Honra que muitos como eu também tiveram. A Você Compadre Wander, e a Você Comadre Lucia meu Sempre Alerta e em sinal de respeito e admiração eu tiro o meu chapéu!  

Nota – Uma homenagem ao Chefe Wander Veloso Pires e sua Esposa Lucia Veloso Pires, amigos que nunca mais esqueci e que hoje estão escoteirando no céu do Senhor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário